Dicas Taê

Confira as melhores dicas para melhorar seu currículo e se tornar um ótimo profissional

Procura-se emprego: por onde começar?

12/03/2016

O assunto deste bate papo disfarçado de artigo é referente à posição de candidato nos processos de recrutamento e seleção, e o motivo para isso se dá primeiramente ao fato de ser este o meu ramo de atuação profissional, (sou Psicóloga e atuo com RH a mais de uma década) e segundo, por acompanhar muitas publicações da área e ponderar a utilidade real das “receitas de bolo" que são distribuídas pela internet com o intuito de ajudar VOCÊ a se preparar para uma entrevista de trabalho. Bem, por um lado estas receitas são inteligentes e atraem as pessoas, principalmente quando elas estão mais frágeis e necessitadas de algo que lhes forneça algum tipo de segurança, em um mercado onde a crise e o desemprego se tornam as únicas certezas. Assim, saber exatamente o que falar e como se comportar pode dar mais chances de ser contratado do que ser ela mesma, espontânea. Ok, se você pensa assim, respire, repense, pois não dá pra ser assim! Cada ser humano é único e dotado de pontos positivos incríveis, potenciais muitas vezes desconhecidos por ele mesmo (o lado LUZ) e pontos não tão perfeitos assim (o lado SOMBRA) e que para sua surpresa, ambos a depender do tipo de trabalho que você escolha, necessitam de ser trabalhados. Ou seja, não existe pessoa perfeita para uma vaga e muito menos um local perfeito de trabalho. Existe a percepção e o sentimento da pessoa falando mais alto e lhe dizendo que a vaga e o local de trabalho são perfeitos para ela. Sendo assim, é você quem cria a sua realidade e isso por si só, já nos abre uma gama de novas possibilidades de reflexão. Mas, exatamente, por que as "receitas de bolo" não trazem os resultados esperados? Bem, vamos pensar juntos: Se as pessoas são diferentes, se possuem perfis diferentes, se gostam e odeiam coisas diferentes, e no linguajar do RH possuem competências, habilidades e atitudes diferentes, como é que podemos garantir que o “vencedor” do processo seletivo que você tanto almejava será ou não você? Imagine que por trás dessa escolha pelo candidato ideal existem algumas variáveis que não dependem de você, dentre elas: o perfil técnico e comportamental da vaga; o salário e benefícios limites para uma proposta; aderência e adaptação à cultura empresarial; alinhamento de propósitos de vida e carreira. Outras dependem de você, como: ter o perfil técnico e comportamental exigido pela vaga; aceitar o salário e benefícios limites oferecidos; gostar do local de trabalho e acreditar na cultura da empresa como um ambiente adaptável; alinhamento de propósitos de vida e carreira. Ufa, eu sei, é bastante coisa e a possibilidade de tudo isso não está 100% sobre o seu controle, é ainda maior. Mas não vamos nos desesperar, pois só não existe jeito pra morte. Sendo assim, o que realmente é imprescindível saber em um processo seletivo é que existem coisas básicas que serão avaliadas em cada fase do processo pelo Recrutador, e que dicas não podem ser generalizadas, pois precisam ser pensadas caso a caso. Mas, existe sim, um passo a passo que após ser seguido uma vez, pode lhe ajudar bastante a se preparar para qualquer tipo de seleção e para que ele dê certo nós precisamos do velho e bom “Planejamento para Ação”. 1ª Dica: Pensar, pensar e pensar – Tire um tempo para você e se faça perguntas do tipo: Quais são os meus objetivos de vida e carreira a curto, médio e longo prazo? Quais são os meus valores pessoais e quais deles eu não abro mão por nada, nem por um trabalho? Que tipo de trabalho eu gostaria de ter? O que é imprescindível no meu novo trabalho? Quais tipos de trabalho me dão prazer e quais eu não me sentiria bem ou motivado para realizar? Após ter colocado essa reflexão no papel, certamente você terá maior clareza sobre os seus reais objetivos e do que, certamente, você não abriria mão ao procurar um novo emprego. Isso lhe dará 70% (essa teoria é minha) de certeza de que irá escolher um novo trabalho com maior assertividade. 2ª Dica: Preparar as armas – não no sentido literal, mas sim, figurado! Estar equipado e preparado para ir para o mercado significa, nesta etapa, construir o seu currículo. E nesta fase, as regras não mudam há muito tempo, ou seja: Tenha um objetivo de área, escreva sua formação e especializações na área de interesse, cursos extras que sejam relevantes para a vaga, como o Inglês, experiência em ordem cronológica (da atual para a última), lembrando que não é necessário inserir as 20 empresas trabalhadas e sim as mais importantes para a área em que você optou enviar o currículo. E sim, isso significa que os currículos devem ser personalizados para cada estilo de vaga ou de empresa na qual você tem interesse em trabalhar. Certamente, o cuidado com um currículo sóbrio, claro, curto e resumido ainda são as “receitas de bolo” que dão certo. Fotos, cartas de apresentação, diplomas, assinaturas datadas no final da folha, e vários telefones de pessoas que você conhece que podem dar referências ao seu respeito, somente devem estar neste material se forem solicitados. Uma letra simples como Arial, talvez um pouco mais extrovertida como Century Gothic são bem vindas com tamanhos de 10 a 12, obedecendo às regras de estética farão toda a diferença, deixarão claro que você teve cuidado ao pensar cada detalhe do seu “Portfólio Profissional” e isso diz muito sobre você e como você leva a sério a busca pelo trabalho. Sabe por que é necessário tamanho cuidado? Porque a maioria dos recrutadores não leem currículos absurdamente grandes, desorganizados e pulam praticamente, todas as informações extras, irrelevantes. Outro motivo é que se escrever tudo sobre você em 05 folhas de papel A4, certamente não se terá motivo algum para conhecê-lo pessoalmente. 3ª Dica: Atirar – Agora é hora de agir, você está com as armas apontadas... e fogo! Após saber que tipo de trabalho e local você gostaria de enviar o seu currículo, deverá iniciar uma busca por estes locais, pré-selecionar, e aí sim, apertar o gatilho. A maior dica é que as empresas não gostam de receber e-mails com currículos que mais parecem correntes de oração, com cópia para outras 50 pessoas. Seja objetivo, escreva no e-mail o seu objetivo ao enviá-lo, agradeça a disponibilidade da pessoa pela atenção que certamente lhe dará ao ler o seu currículo e seja direto no assunto do e-mail. Exemplo: Currículo para vaga de Analista de Recursos Humanos. 4ª Dica: Socialize – Converse com seus amigos mais próximos e diga-lhes sobre os seus planos, envie a eles o seu currículo e solicite ajuda. Faça contatos pertinentes via Linkedin e sim, “gaste” o seu tempo com isso. 5ª Dica: Esteja preparado para ser convidado para realizar uma entrevista – Vista sua melhor roupa e lembre-se, você é o seu melhor currículo. Esteja disposto a responder as perguntas do recrutador, não use roupas e acessórios que desviem a atenção para outros lugares que não para a sua boca enquanto você fala. Seja honesto, quando não souber ou quando não tiver o que dizer. 6ª Dica: AUTOCONFIANÇA – Desenvolva a sua autoconfiança. Saber o que você quer e conseguir mostrar isso com segurança ao recrutador é certamente os outros 30% do processo seletivo, sendo assim, das dicas 2 até a dica 5, você se prepara para vender o seu peixe e agora com todas as informações necessárias você faz isso. Como falei no início, o “passo a passo” são dicas, porém é impossível colocar todas as pessoas em um mesmo “saco” e “julgar” que este caminho será útil para todos, de igual forma. O que é possível dizer é que procurar uma vaga de trabalho exige de você um cuidado muito mais amplo do que somente enviar o currículo e ir fazer as entrevistas deixando ao acaso a sorte de ser contratado por uma empresa “incrível” com um salário “incrível”. É preciso que você construa a sua sorte, ou seja, faça a sua parte!

< Voltar
Comentários

Anuncie seu currículo gratuitamente